Pode Estamira falar?

Analisa a representação de Estamira, personagem principal no documentário homônimo de Marcos Prado, lançado em 2006, visando responder, num contexto concreto e específico, a questão ou problema teórico elaborado por Gayatri Spivak (2010) em seu clássico estudo sobre o discurso intelectual e a possibilidade de voz das populações marginalizadas. Se Spivak lançava a pergunta “pode o subalterno falar?”, aqui, a tentativa será a de responder se, através de uma representação fílmica, pode Estamira falar.

Além do clássico de Spivak, o referencial teórico discutirá ainda determinadas especificidades do gênero documentário e sua estreita vinculação entre ficção e realidade, bem como as contribuições teóricas de Michel Foucault (2009) relacionadas à vida dos homens infames e a existência do seu discurso condicionada às situações de cruzamento com o poder.

Minha leitura da situação discursiva de Estamira, portanto, busca problematizar a possibilidade do intelectual, aqui na figura do cineasta, de dar voz ao subalterno através de suas produções e representações. Respondendo afirmativamente tal questão, o artigo se conclui, contudo, considerando que o discurso da mulher Estamira dispensa a análise ou a tentativa de racionalização do intelectual/cineasta para adquirir sua força, dado que a descontinuidade da sua fala é justamente o que revela as tensões do cruzamento do sujeito com o poder.


Pode Estamira falar?: o cinema documentário brasileiro e a voz do sujeito subalterno
Marco Aurélio de Souza
ebook
Sarita Livros

[Abril] Roda de conversa e lançamento de livro

No segundo sábado de cada mês a Sarita Livros abre as portas e recebe todas as amizades para eventos acolhedores e significativos. No dia 8 de Abril vamos receber a teóloga, estudante de psicanálise, escritora, e poeta Emily Coelho que fará o lançamento do seu livro Any, uma leitura de mulher editado e comercializado no Brasil e Portugal pela editora Primeiro Capítulo, parte do Grupo Editorial Atlântico.

A autora maranhense residente em Ponta Grossa também participará de uma roda de conversa intitulada A mulher que deixa o espaço religioso, que vai debater as opressões sofridas por mulheres em espaços religiosos e suas implicações. O encontro vai contar com a participação da teóloga, linguista, escritora e professora autista, Angela Natel, de Curitiba.


Roberto é um poeta, apaixonado por Any, sua musa. Dando voz a essa mãe de duas crianças pequenas, casada com o homem dos seus sonhos! Ou será pesadelo? Muito convicta e dedicada em sua crença! Ou será alguém tentando se enganar e fugir de suas dúvidas? Nessa narração empolgante e de tirar o fôlego, vemos nossa personagem ir de uma vida regrada e penitente a experiências intensas que lhe dão uma reviravolta cheia de perdas, as quais ela precisará superar no caminho. Será que ela, essa menina que mal sabe viver, será capaz de se tornar a mulher que precisa ser, por si mesma? E tomar da vida o que precisa para ser ela, tornando-se ao fim a escritora de sua própria história?

Any, uma leitura de mulher
Emily Coelho
ISBN: 978-989-37-4634-9
82 páginas


As atividades começam às 14h com as playlists do bruxo, banquinha de expositores locais, livros artesanais, fanzines e autógrafos da Emily Coelho. Já às 16h acontece a roda de conversas com transmissão pelo Youtube no canal da Sarita Livros. Para animar as conversas teremos chá quente e pães artesanais veganos disponíveis para petiscar.

Garanta seu exemplar autografado do livro “Any, uma leitura de mulher”. Disponível no evento pelo valor de capa (R$43,90) com pagamento através do pix, picpay, mercado pago e cartão de crédito.

A entrada é gratuita e não requer agendamento; todas as pessoas que aceitam os termos do código de conduta são bem-vindas; pets, crianças e bicicletas também são bem recebidas no espaço compartilhado da editora e livraria Sarita Livros, no bairro Órfãs.

Roda de Conversa e Lançamento de livro
Sábado, dia 08 de Abril, das 14h às 20h.
Sarita Livros
Rua Balduíno Taques, 1556, Altos.
Órfãs, Ponta Grossa, PR.
84015-255